A Terapia Cognitiva Baseada em Mindfulness alivia a depressão

EUROPEAN ARCHIVES OF PSYCHIATRY AND CLINICAL NEUROSCIENCE

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

A depressão é uma das principais causas de incapacidade e um dos transtornos mentais mais comuns [1]. É caracterizado pela incapacidade de suprimir conjuntos mentais concorrentes ou irrelevantes [2,3], como pensamentos ruminativos. A menor capacidade na supressão destes conjuntos de pensamentos intrusivos tem sido associada ao início e à recorrência da depressão, correlacionando-se com a ruminação depressiva [4, 5] e mediando a gravidade dos sintomas experimentados [6,7].A ruminação, ou pensamento ruminativo, tem sido caracterizada como uma cadeia de pensamentos repetitivos, de caráter negativo, que se perpetua por longo tempo [8,9]. Apesar da ruminação estar presente em todas as pessoas em algum grau, nem toda ruminação é igualmente disfuncional. A literatura aponta evidências de que a ruminação é prejudicial quando associada a tendências disfóricas (mau-humor, tristeza e desmotivação) e/ou associada a traços de personalidade presentes no fator Neuroticismo [10]. O neuroticismo caracteriza o nível de desajustamento emocional e a vulnerabilidade para desenvolver stress e ansiedade, depressão, sentimentos de culpa, baixa autoestima, tensão e tristeza, entre outras facetas [11].

Este estudo, publicado na European Archives of Psychiatry and Clinical Neuroscience teve como objetivo determinar se o treino de Mindfulness pode melhorar a supressão destes conjuntos mentais  intrusivos e se essa melhoria está associada ao alívio depressivo. A Terapia Cognitiva Baseada em Mindfulness (MBCT) visa especificamente evitar ser capturado pelo conjunto mental ruminativo [12-14] e pode prevenir a recaída depressiva [15]. Enquanto que o treino de mindfulness pode melhorar o funcionamento cognitivo [16], incluindo a supressão de conjuntos mentais negativos [17, 18] principalmente entre adultos saudáveis, as melhorias cognitivas entre indivíduos deprimidos permanecem amplamente inexploradas.

 

Resultados e Discussão

Este estudo encontrou níveis de depressão significativamente menores após a participação no programa MBCT em comparação com o gurpo das pessoas que não realizaram o programa (lista de espera). Esses resultados, segundo os autores constituem a primeira evidência empírica que indica que o programa de MBCT pode ajudar a melhorar a supressão mental, bem como a primeira evidência que liga tais melhorias ao alívio depressivo.

 

Referências Bibiográficas

1. Kessler RC, Aguilar-Gaxiola S, Alonso J et al (2011) The global burden of mental disorders: an update from the WHO World Mental Health (WMH) surveys. Epidemiol Psichiatr Soc 18:23–
33. doi:10.1017/S1121189X00001421

2. Stordal KI, Lundervold AJ, Egeland J et al (2004) Impairment across executive functions in recurrent major depression. Nord J Psychiatry 58:41–47. doi:10.1080/08039480310000789

3. Biringer E, Lundervold A, Stordal K et al (2005) Executive function improvement upon remission of recurrent unipolar depression. Eur Arch Psychiatry Clin Neurosci 255:373–380. doi:10.1007/s00406-005-0577-7

4. Whitmer AJ, Banich MT (2007) Inhibition versus switching deficits in different forms of rumination. Psychol Sci 18:546–553. doi:10.1111/j.1467-9280.2007.01936.x CrossRefPubMedGoogle Scholar

5. Whitmer AJ, Gotlib IH (2012) Switching and backward inhibition in major depressive disorder: the role of rumination. J Abnorm Psychol 121:570–578. doi:10.1037/a0027474

6. Letkiewicz AM, Miller GA, Crocker LD et al (2014) Executive function deficits in daily life prospectively predict increases in depressive symptoms. Cognit Ther Res. doi:10.1007/s10608-014-9629-5

7. Trivedi MH, Greer TL (2014) Cognitive dysfunction in unipolar depression: implications for treatment. J Affect Disord 152–154:19–27. doi:10.1016/j.jad.2013.09.012

8. Nolen-Hoeksema, S. (2004). The response style theory. In C. Papageorgiou & A. Wells (Eds.), Rumination: nature, theory, and treatment of negative thinking in depression (pp.107-124). Chichester, UK: John Wiley & Sons.

9. Nolen-Hoeksema, S., & Jackson, B. (2001). Mediators of the gender difference in rumination. Psychology of Women Quarterly, 25 (1), 37-47.

10. Lyubomirsky, S., & Tkach, C. (2004). The consequences of dysphoric rumination. In C. Papageorgiou & A. Wells (Eds.), Rumination: nature, theory, and treatment of negative thinking in depression (pp.21-41). Chichester, UK: John Wiley & Sons.

11. Costa Jr., P. T., &..McCrae, R. R. (2007). Inventário de Personalidade Neo Revisado e Inventário de Cinco Fatores Neo Revisado NEO-FFI-R (versão curta). São Paulo: Vetor.

12. Segal ZV, Williams JMG, Teasdale JD (2012) Mindfulness-based cognitive therapy for depression, 2nd edn. Guilford Press, New York

13. van der Velden AM, Kuyken W, Wattar U et al (2015) A systematic review of mechanisms of change in mindfulness-based cognitive therapy in the treatment of recurrent major depressive disorder. Clin Psychol Rev 37:26–39. doi:10.1016/j.cpr.2015.02.001

14. Huijbers MJ, Spijker J, Donders ART et al (2012) Preventing relapse in recurrent depression using mindfulness-based cognitive therapy, antidepressant medication or the combination: trial design and protocol of the MOMENT study. BMC Psychiatry 12:125. doi:10.1186/1471-244X-12-125

15. Chiesa A, Serretti A (2011) Mindfulness based cognitive therapy for psychiatric disorders: a systematic review and meta-analysis. Psychiatry Res 187:441–453

16. Chiesa A, Calati R, Serretti A (2011) Does mindfulness training improve cognitive abilities? A systematic review of neuropsychological findings. Clin Psychol Rev 31:449–464

17. Zeidan F, Johnson SK, Diamond BJ et al (2010) Mindfulness meditation improves cognition: evidence of brief mental training. Conscious Cogn 19:597–605

18. Greenberg J, Reiner K, Meiran N (2013) “Off with the old”: mindfulness practice improves backward inhibition. Front Psychol 3

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Fundador e Presidente da Sociedade Portuguesa de Meditação e Bem-Estar | Mindfulness Institute Psicólogo, doutorado em Psicologia da Saúde pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto. Tem trabalhado na investigação,teórica e empírica, centrada nos determinantes da felicidade. Tem desenvolvido a sua actividade profissional como psicólogo escolar e psicoterapeuta. Tem forte interesse no funcionamento psicológico positivo, onde descobriu o valor fundacional das práticas contemplativas, como a abordagem Mindfulness e o Yoga, entre outras. Nos últimos 15 anos tem praticado diferentes formas de Meditação e de Yoga com instrutores nacionais e internacionais. Editor principal da revista da Sociedade Portuguesa de Meditação e Bem-Estar – Mindfulness Institute.